A vida é boa quando é simples...

|
   

Desde que mudámos o nosso estilo de vida, que deixámos para trás a capital e escolhemos uma pequena terra, que até há poucos anos era uma aldeia e que foi entretanto e emancipada a vila que temos notado imensas diferenças no nosso bem estar.
Digam o que disserem, para mim, uma terra pequena é mil vezes melhor que uma cidade cosmopolita. Mas isto sou eu, que nasci numa pequena aldeia alentejana, que fui criada no campo, que gosto de sujar a roupa de terra, de inspirar e sentir o cheiro dos eucaliptos, do mar. Gosto de olhar para o céu e poder contar as estrelas, que na cidade ficam tapadas pela vista urbana de prédios sem fim, onde é mais fácil contar aviões a ir e vir que vislumbrar uma estrela.
Dei por mim com um sorriso parvo de satisfação ao dar-me conta disto num dos passeios nocturnos da Oreo, após ter ficado com dores no pescoço enquanto eu e o João olhávamos para o céu e contávamos as estrelas que estavam a piscar. Em mais de sete anos da nossa relação, foi a primeira vez que o fizemos e foi, também, a minha primeira vez em muitos anos. 
É tão bom perdermo-nos nestas pequenas coisas, que parecem tão insignificantes, mas são as mais importantes. Desde que aqui estamos que, quase diariamente podemos gravar na memória pequenas coisas que sabem tão bem. Ter a praia a uma distância de pouco mais de cinco minutos a pé é outra delas. A foto em que estou com a Oreo na praia foi do nosso primeiro banho de 2017 (meu e da Oreo, o João, por estar doente, fez de fotografo). Num dia surpreendentemente quente, arregacei as jardineiras para molhar os pés e acompanha-la e, quando dei por mim, a água já tinha chegado bem acima dos joelhos.
Sentar-me, de manhã, na nossa varada e aproveitar o solzinho enquanto bebo um chá, num silêncio que só é interrompido pelo cantar dos pássaros ou pelo ladrar da Oreo ou do cão dos vizinhos.
Passear no campo (fotos de cima), fazer picnics e ver a Oreo correr livre como se não houvesse amanhã. Sentir a brisa que trás o cheiro a eucaliptos... Para mim é das melhores sensações de sempre, porque tive alguns dos melhores anos da minha vida, quando criança, muito semelhantes ao que estamos a ter agora.
Poder, realmente, viver! Sem contagens decrescentes para chegar o dia "x" para ir de férias para um sitio que não o de nossa casa. Nós queremos é estar aqui. Sem pedir que os dias passem a correr. Sem acordar com barulho de buzinas e da azáfama da cidade. Em vez disso, acordar com o som dos passarinhos na janela. Vestir qualquer coisa, pegar na Oreo, e fazer uma caminhada na praia.
As coisas boas da vida estão nos momentos mais simples e em saber saboreá-los.

P.s - As fotos estão no instagram do blog, para acompanharem tudo, não se esqueçam de seguir @fuieuqdisseblog

3 comentários:

  1. Adorei o post e concordo em muitos aspetos! Também prefiro uma aldeia/vila pequena do que uma cidade enorme só com confusão, embora adore ir lá também, mas para viver prefiro uma coisa mais pequena, mais "minha"!
    Segui o blog :*
    Beijinhos,
    BabyLú
    http://www.luciaffmoreira.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  2. Adoro as fotos, tenho que espreitar o teu instagram!!
    Adorei o teu blog e já te estou a seguir :)

    Beijinhos,
    Shades of a Girl

    ResponderEliminar
  3. Há pequenas coisas que se tornam imensas, precisamente por serem tão especiais! É tão bom quando nos sentimos bem em determinado lugar *.*

    ResponderEliminar

A sua opinião é importante!
Deixe a sua opinião nos comentários :)

Google Analytics Alternative